R

Vamos juntos na prevenção do abuso sexual infantil

Por mais difícil que seja falar neste tema, é fundamental o esclarecimento e a informação para prevenir

O abuso sexual infantil sempre será um assunto complicado e difícil de ser abordado, pelos tabus que carrega, pelo preconceito e silêncio das vítimas (que em grande parte dos casos, não sabem exatamente o que está acontecendo com elas).

Segundo dados publicados pela Rainn, a maior organização contra a violência sexual dos Estados Unidos, foi mostrado que em 93% dos casos, as vítimas norte-americanas com menos de dezoito anos de idade conhecem o agressor.

No Brasil, em 2021, apenas nos primeiros quatro meses, foram registradas seis mil denúncias de violência sexual, apenas contra crianças e adolescentes e muitas dessas vítimas são atraídas por perfis falsos na internet.

Principais consequências do abuso sexual infantil

A criança que passa por essa violência, sofrerá com as sequelas, desenvolvendo problemas de relacionamento e até comportamentais.

A vítima apresenta sentimentos confusos e em muitos casos não consegue entender o que está acontecendo no momento, geralmente vindo a ter noção do que ocorreu, anos depois.

Crianças que passaram por esse tipo de violência podem crescer apresentando problemas, como: medos, muitos deles aparentemente infundados, sentimento de culpa, percepção negativa sobre o próprio corpo e dificuldades para estabelecer confiança com as pessoas ao redor.

Como prevenir o abuso sexual infantil? 

Por mais difícil que seja falar neste tema, é fundamental o esclarecimento e a informação para prevenir novos casos. A loja de roupa infantil, Datitia ,
também especialista em tratar temas em torno do comportamento infantil e maternidade, traz algumas orientações com base no que dizem os principais órgãos de proteção à criança e ao adolescente. 

Eduque a criança sobre as partes íntimas do corpo

É fundamental que as crianças consigam nomear as partes de seu corpo e que consigam identificar as partes íntimas para que possam relatar aos seus pais, caso algo fora do comum aconteça.

Ensine a criança sobre as partes do corpo e que ninguém pode tocá-las e nem vê-las, apenas os pais no momento do banho ou no momento da troca de roupa.

Fale sobre os limites do corpo

É fundamental ensinar a criança a não permitir que ninguém toque em suas partes íntimas e também que não toque nas partes íntimas de nenhuma pessoa, seja conhecida ou não.

Alerte sobre possíveis ações adotadas por pessoas abusadoras, como trocar carinhos por doces, etc.
Incentive a criança a conversar 

Seu filho precisa sentir segurança para te contar qualquer coisa, inclusive, uma situação de abuso. Abusadores pedem às crianças para não contarem o segredo, seja por meio de ameaças ou de forma lúdica.

Ensine a criança sobre segredos não serem coisas boas e que os pais precisam saber sobre tudo o que está acontecendo. 

Com quem o seu filho anda e o que ele está fazendo?

Quando a criança passa horas sozinha com um adulto, seja conhecido ou não, costuma ser o contexto de abuso. Tenha controle sobre o que o seu filho está fazendo mesmo em sua casa.

Hoje, por conta da internet, muitos abusadores se utilizam de perfis falsos para aliciar crianças, por isso preste muita atenção ao que a criança acessa na internet e não permita que ela utilize esse meio sem a sua supervisão.

Se importe com a reação da criança

Se a criança demonstra não ter afeição por alguém próximo, o que normalmente seria natural, tente entender o motivo dela não gostar.

O abuso sexual infantil precisa ser combatido pela sociedade e isso só se faz por meio de informação clara sobre o assunto. As escolas e instituições de atenção à infância e adolescência também são fundamentais para disseminar informação e orientações de prevenção aos pais e cuidadores



SERVIÇO PÚBLICO E ELEIÇÕES
Auxílio Brasil tem inclusão recorde de famílias em agosto e número de pessoas atendidas chega a 20,2 milhões em todo país
Pensão alimentícia: passado o pior da pandemia, segue o drama
Seduc abre inscrições para curso de operador de caixa nos municípios de Barras, Batalha, Esperantina, Luzilândia e Joaquim Pires.

Desenvolvido por: Nichollas Castro (61)98440-4851