R

Ricardo Penha esclarece as principais dúvidas de investidores iniciantes

Penha é sócio-fundador do Hub do Investidor e conta que todo mundo não só pode investir, como deve!

Segundo o especialista, ter ativos descorrelacionados, ainda mais no Brasil, é fundamental. A cada curto espaço de tempo o país passa por uma crise política e econômica, se você tem seu patrimônio todo concentrado no Brasil, você fica refém. Agora se você tem parte dele em ações ou fundos internacionais, essa parte da carteira muitas vezes não sofre. Confira essas e outros dicas de Ricardo Penha, sócio-fundador do Hub do Investidor para quem está pensando em investir.

Qual o primeiro passo antes de começar a investir?

O investidor precisa garantir a correta definição do seu perfil de risco, a partir disso, ele define o % meta de cada classe de ativo. Com a carteira planejada, ele entra na fase de execução e depois de monitoramento.

Todo mundo pode investir?

Todo mundo não só pode investir, como deve, não é uma opção. Os investimentos te trarão conforto e segurança.

Quais os principais investimentos para iniciantes?

Os títulos públicos são os mais indicados para iniciantes, dado que rendem mais que a poupança. Para quem já investe em renda fixa e quer começar em renda variável, os Fundos Imobiliários são alternativas interessantes dado a menor volatilidade que ações e recebimento de dividendos mensais.

Quais são os investimentos mais seguros para quem está começando?

Sem dúvida os títulos públicos são os mais seguros, mas os CDBs, LCIs, LCAs, CRAs e CRIs estão garantidos pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC) em até R$250 mil por CPF, são também excelentes alternativas seguras.

Quais os principais cuidados antes de começar a investir?

Entender o horizonte de investimento, ter a correta política de investimento e respeitar os princípios do dinheiro.

Quem não entende nada do mercado financeiro, não tem tempo ou habilidade para esse setor, também pode investir? Qual profissional pode ajudar esse investidor?

Como disse, se investir não é uma opção, cada pessoa precisa entender como encaixar essa agenda em sua rotina. Os investidores hoje podem contar com a estrutura tradicional do mercado financeiro como gerentes de bancos e assessores de investimentos, mas é importante entender as limitações do modelo para não ser pego de surpreso. Com o crescimento do mercado de capitais no Brasil, as pessoas podem contratar, a preços superacessíveis, os serviços de casa de análise independentes que fornecem carteiras recomendadas.

O modelo de consultoria e planejamento financeiro ganhou tração nos últimos anos, com atendimento personalizado, profissional e independente, o consultor monta um portfólio adequado a sua realidade e necessidade.

Na sua opinião, o que é mais importante na hora de escolher no que investir?

Segurança na tomada de decisão, seja a segurança de estar escolhendo o melhor produto disponível, seja a segurança de ter um atendimento de qualidade e independente.

A pior coisa do mundo é você comprar algo sem entender corretamente o que está fazendo e/ou desconfiar do atendimento recebido.

No Brasil, quais são os investimentos mais seguros, hoje? E os mais ousados?

Os mais seguros são os títulos públicos, os mais ousados passam por ações e criptoativos.

Não é preciso ser um ou outro, gostamos e acreditamos na verdadeira diversificação.

Sobre a diversificação de investimentos, porque ela é tão importante?

O maior inimigo de uma carteira de investimento de longo prazo é o curto prazo, a diversificação ajuda justamente nesse ponto, pois traz maior segurança e menor volatilidade.

A correta diversificação busca manter o retorno esperado da carteira ao mesmo tempo que reduz o risco dela.

Ter ativos descorrelacionados, ainda mais no Brasil, é fundamental. A cada curto espaço de tempo o país passa por uma crise política e econômica, se você tem seu patrimônio todo concentrado no Brasil, você fica refém. Agora se você tem parte dele em ações ou fundos internacionais, essa parte da carteira muitas vezes não sofre.

Há diferenças entre um investidor empresarial e um pessoa física, em relação aos cuidados a serem tomados ao direcionar um investimento?

Sem dúvidas os objetivos e horizontes são diferentes, o investidor empresarial precisa de uma maior liquidez ao mesmo tempo que o dinheiro tenha boa rentabilidade, já o investidor pessoa física pode montar uma carteira mais sofisticada, tomar mais risco, pois o horizonte de investimento é mais longo.

Muita gente acha que investir é só para quem tem muito dinheiro. É possível investir pequenas somas, que bem direcionadas possam dar ganhos para o investidor?

É preciso entender que quando o assunto é dinheiro e investimentos, o tempo é exponencial. Se você esperar ter uma quantia grande de dinheiro para começar a investir, a chance de você retardar sua aposentadoria é enorme.

O objetivo é ser um investidor pela vida toda, por isso, o plano de investimento é fundamental e ele passará pelos aportes mensais.

Uma analogia que gostamos de usar é que os juros compostos é como se fosse uma bola de neve, não à toa Einstein chamou o fenômeno dos juros compostos como a 8º maravilha do mundo.

Para conhecer mais sobre o Hub do Investidor acesse https://hubdoinvestidor.com.br/; no linkedin: https://www.linkedin.com/company/hub-do-investidor; no Twitter: @hubdoinvestidor; no Instagram: @hubdoinvestidor; e no canal do Youtube: https://www.youtube.com/channel/HubdoInvestidor.

SERVIÇO PÚBLICO E ELEIÇÕES
Auxílio Brasil tem inclusão recorde de famílias em agosto e número de pessoas atendidas chega a 20,2 milhões em todo país
Pensão alimentícia: passado o pior da pandemia, segue o drama
Seduc abre inscrições para curso de operador de caixa nos municípios de Barras, Batalha, Esperantina, Luzilândia e Joaquim Pires.

Desenvolvido por: Nichollas Castro (61)98440-4851