Home » Brasil » Governo Bolsonaro recupera R$ 377 mil pago indevidamente a beneficiários do Bolsa família na região Nordeste
Publicado em: 1 de julho de 2019 - Ás: 13:54 - Categorias: Brasil> Destaque.

Governo Bolsonaro recupera R$ 377 mil pago indevidamente a beneficiários do Bolsa família na região Nordeste

cp bol

Na região Nordeste, o Ministério da Cidadania recuperou 377 mil reais de 299 beneficiários do Bolsa Família que estavam recebendo o dinheiro indevidamente. É a primeira vez que o governo federal consegue reaver recursos que estavam sendo pagos a pessoas que não se encaixavam mais nos critérios do programa. O montante voltará agora aos cofres públicos da União. Somente nesta etapa inicial do pente-fino, 748 casos foram pagos, o que representa 927 mil reais.

A cobrança de ressarcimento de valores do Bolsa Família é fruto do cruzamento de dados realizado pelo Tribunal de Contas da União, iniciado em 2018. O levantamento mostrou que as famílias tinham renda maior do que a declarada no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal.

O ministro da Cidadania, Osmar Terra, lembra ainda sobre o cruzamento de informações com diversas bases de dados do governo federal que é realizado todos os meses. Para Terra, a inciativa mostra o empenho em combater as irregularidades e garantir que os recursos cheguem a quem realmente precisa.

Em todo o Brasil, foram instaurados 2.663 processos administrativos para a cobrança. O secretário Nacional de Renda de Cidadania, Tiago Falcão, explica o que ocorre com as famílias que não devolverem o dinheiro ao governo federal.

Caso atendam às regras para participar do programa, aquelas famílias que quitaram o débito com a União vão poder ser selecionadas para retornar após um ano. No entanto, se o débito não for pago, a família fica impedida de ingressar, mesmo cumprindo os demais critérios de elegibilidade. Atualmente, o Bolsa Família atende mais de 14 milhões de famílias com a transferência mensal de cerca de R$ 2 bilhões e 400 milhões de reais.

Reportagem, André Luiz Gomes

Fonte: Ministério da Cidadania, Ascom.

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta