Home » Destaque » Itália no turbilhão do euro
Publicado em: 12 de outubro de 2018 - Ás: 20:17 - Categorias: Destaque> Mundo.

Itália no turbilhão do euro

capa euro

A Itália aderiu à zona do euro em 1999, com o primeiro-ministro Massimo d’Alema do partido “Esquerda Democrática”. Essa participação fatídica, que implicou a completa perda da política monetária independente, é sem dúvida a principal causa do decepcionante desempenho da economia italiana.

O PIB do país atualmente está em EUR 1,75 trilhão de euros e suas taxas de crescimento são extremamente anêmicas, atingindo apenas 0,9%. O Produto Interno Bruto (PIB) real per capita, segundo cálculos confiáveis, aumentou no período 1969-1998, em que o país teve sua moeda nacional, a lira, em 104%, enquanto no período 1999-2016, onde o país já havia adotado o euro, caiu 0,75%. Por outro lado, no período 1999-2016, o PIB real per capita da Alemanha cresceu 26,1%, tornando os cidadãos daquele país os mais beneficiados entre as principais economias da zona do euro.

A Itália, ao mesmo tempo, tem a terceira maior dívida estatal do mundo, depois dos EUA e do Japão, e, portanto, seu resgate é impossível, já que excede as capacidades dos estados europeus. A dívida do país, como porcentagem do PIB, atualmente é de 132% e em números absolutos de 2,336 trilhões de euros, enquanto em 1999 era de 109,7%. Então, pode-se notar facilmente um aumento significativo.

Ao mesmo tempo, desde 1999, o íngreme declive da Itália em termos de desenvolvimento havia começado. A Fiat deixou de dominar o mercado automobilístico europeu e o país perdeu sua posição de liderança como produtor de eletrodomésticos brancos. Muitas fábricas foram fechadas e várias grandes empresas foram transferidas para outros países. Milhões, além disso, as pequenas e médias empresas, que foi baseado na desvalorização periódica da moeda, para compensar as insuficiências do sistema econômico italiano, não podiam mais competir fora da fronteira italiana. Quais são essas inadequações? Problemas do mercado de trabalho, baixo investimento público e privado em desenvolvimento e pesquisa, alta burocracia governamental, sistema judiciário disfuncional, caro e lento, altos níveis de corrupção e evasão fiscal etc.

O desemprego é de cerca de 11% da força de trabalho, o quarto mais alto da União Europeia depois da Grécia, Espanha e Chipre. Ao mesmo tempo, o desemprego entre os jovens entre os 15 e os 24 anos, que, segundo as últimas estatísticas do Instituto Estatístico de Istat, representa uma percentagem muito elevada de 30,8%, reflecte de forma clara a profunda crise económica e social. que varre como um furacão o país mediterrâneo do sul europeu.

A pobreza atingiu o seu nível mais elevado desde 2005. O último relatório do Istat registou 5 milhões de pessoas em pobreza absoluta em 2017. Numa base percentual, 6,9% dos agregados familiares italianos vivem na pobreza absoluta, ou seja numa situação em que não é possível cobrir a despesa mínima mensal para a aquisição de uma cesta de bens e serviços que, no contexto italiano e para uma família com certas características, é considerada necessária para um padrão de vida mínimo aceitável.

Ao mesmo tempo, a Itália tem a maioria das agências bancárias por habitante em toda a Europa, que também são caracterizadas por um modelo de negócio errado, sobrevivendo apenas com juros e empréstimos corporativos. Assim, dado que as taxas de juros na zona do euro são zero, os bancos operam com perdas, tendo acumulado inseguranças (empréstimos vermelhos) que atualmente chegam a cerca de 260 bilhões de euros (15% do PIB italiano), dos quais muito se perde.

A economia italiana, a terceira maior na união monetária mal concebida, parece-me esquematicamente, com um cavalo cansado, carregado de dívidas e empréstimos vermelhos, que respira com dificuldade na subida, cheia de pedras e poças, da zona euro, que é um incrível sistema rígido, um espaço entupido de ferros para 19 países diferentes em produtividade, inflação, balança comercial e progresso tecnológico.

Portanto, deve ser entendido que a zona do euro é nada mais do que um campo de interesses conflitantes entre os países membros que a compõem. Assim, o que é de grande interesse para a Itália não é interesse em qualquer caso para a Alemanha. No entanto, a reconciliação de interesses ao longo dos anos da moeda comum revelou-se impossível. Isto é porque a Alemanha como a primeira potência econômica conseguiu dominar e governar, usando o euro para seu benefício, enquanto ao mesmo tempo os outros países, em vez de resistir e até colidir, se curvando e obedecendo.

No entanto, o custo de adiar a saída da Itália da zona do euro – que até agora evitou pelo menos um aparente temor do sistema político italiano por quaisquer efeitos negativos da saída – acabará por ser muito maior do que o custo da ruptura o início da crise econômica.

A recente decisão do governo de coalizão do Movimento 5 estrelas M5S e Lega, formado em maio de 2018, de apresentar um orçamento para 2019 com um déficit de 2,4% do PIB está claramente na direção certa, porque é mais importante o reforço a economia italiana pelo fortalecimento da demanda interna, bem como a prosperidade do povo italiano, e não as rígidas regulamentações fiscais de Bruxelas impostas pela Alemanha e que não permitem isso.

A Itália deve finalmente deixar de recuar para os comandos de Berlim e temer a ruptura com a zona do euro alemã, porque é capaz de retornar à lira e assim recuperar sua soberania política, econômica e institucional. Apesar dos problemas atuais, ainda tem a segunda maior indústria da área do euro, depois da Alemanha e a quinta maior do mundo, com participação de 19% no PIB do país. A Itália produz desde aviões, carros, armas, sistemas eletrônicos até perfumes, sapatos e roupas. A Itália também precisa de energia, que é petróleo barato e gás barato, o que não tem. Mas poderia garantir petróleo de sua antiga colônia, a Líbia, e gás da Gazprom. Assim, com baixos custos de produção e uma moeda nacional flexível, ela se tornaria extremamente competitiva.

Em suma, a Itália, navegando como um barco abalado no turbulento mar da zona do euro, onde sopram fortes ventos, afundará matematicamente se sua liderança política não tomar, enquanto ainda for o tempo, a decisão inovadora e dinâmica de retornar a sua moeda nacional.

Currículo

Isidoros Karderinis nasceu em Atenas, em 1967. É romancista, poeta e colunista. Ele estudou economia e concluiu estudos de pós-graduação na economia do turismo. Seus artigos foram republicados em jornais, revistas e sites em todo o mundo. Seus poemas foram traduzidos para o inglês, o francês e o espanhol e publicados em revistas literárias e seções literárias de jornais. Ele publicou sete livros de poesia e dois romances. Seus livros foram publicados nos EUA, Grã-Bretanha, Espanha e Itália.

Email: skarderinis@hotmail.gr
Facebook: Karderinis Isidoros
Twitter: isidoros karderinis

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta